sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Como economizar no mercado, na concessionária ou com o cartão de crédito

Especialistas ensinam truques simples para pagar menos na hora de comprar produtos ou contratar serviços



Consumidor que escolhe produtos da marca do próprio supermercado costuma economizar


Se a escalada da inflação coloca em pauta a corrosão do poder de compra dos brasileiros, é bom lembrar que os consumidores também assumem uma parcela de culpa na sobrecarga do orçamento quando aumentam os gastos em velocidade superior à que veem seu salário subir. Para dar folga à carteira, saiba como conseguir melhores preços na hora de fazer as compras do mês, negociar o financiamento do carro e pagar a anuidade do cartão de crédito.

No supermercado

Em dezembro do ano passado, a ONG de defesa do consumidor ProTeste pesquisou uma cesta de 64 produtos em diversas capitais do país. A conclusão foi que optar por itens que carregam a marca do supermercado implica, em média, em uma economia que beira três quartos do valor que seria gasto para encher o carrinho com os tradicionais líderes de mercado. Foram avaliados desde alimentos como batata frita e biscoito maizena a artigos de limpeza como amaciante e esponja.

"As pessoas têm que se conscientizar que podem gastar menos sem deixar a qualidade e a segurança de lado", aponta Maria Inês Dolci, coordenadora da instituição. E se persiste a desconfiança que produtos sensivelmente mais baratos não serão tão bons quanto seus concorrentes, a ProTeste lembra que alguns deles ganharam inclusive o selo de melhor escolha para o consumidor em testes comparativos realizados no passado pela entidade. Foi o caso do azeite de oliva da marca Carrefour e do feijão preto da Great Value, comercializado na rede Walmart.

Quando considerada toda a cesta de produtos, quem se saiu melhor foi o supermercado Big do Rio Grande do Sul, seguido pelo também gaúcho Nacional (diferença de 126%) e pelo Extra de Minas Gerais (108%).

Na concessionária

Se o consumidor está disposto a bancar as parcelas de um financiamento para colocar o carro novo na garagem, a dica é revelar por último o valor da prestação com a qual pode arcar mensalmente. De posse dessa informação, o vendedor pode estudar uma lista de financeiras que trabalha com a concessionária, apresentando aquela que oferece a maior comissão para ele, ao invés da melhor condição para o comprador. “O indivíduo só deve revelar alguma coisa quando conhecer todas as condições da concessionária. Aí sim ele terá poder de barganhar para inverter o processo e conseguir o melhor preço”, aconselha o educador financeiro Reinaldo Domingos.

Vale lembrar que as melhores ofertas costumam ser anunciadas na terceira semana do mês. É justamente neste período que os vendedores que não tiverem batido sua cota estarão ávidos por fechar negócio. Portanto, é quando crescem as chances de acordos mais vantajosos, menos burocráticos e com maiores descontos.

Com o cartão de crédito

Popularizado na última década, o cartão de crédito vem ocupando uma lacuna deixada pelo cada vez mais obsoleto talão de cheques. Com a facilidade de agregar as compras e dividi-las em parcelas esparsas, o dinheiro de plástico pode sim ser um instrumento barato quando usado com cautela.

O risco é para quem parcela a conta na hora de quitar a fatura e sofre com a incidência dos juros mais caros da praça. Em média, essa taxa costuma ultrapassar 230% ao ano. O consumidor que paga a conta na íntegra lida somente com a anuidade do cartão. E até esse valor pode ser jogado para baixo - quando não completamente extinto - mediante algum jogo de cintura do usuário.

Para Andreas Belck, coordenador do departamento de finanças da ESPM, vale a pena contatar o 0800 da operadora e pedir descontos na anuidade do cartão com base em valores menores ou gratuitos oferecidos pela concorrência. “Se você usar esse argumento, é provável que eles tentem oferecer uma contrapartida. Afinal, há um interesse em não perder o cliente”, ensina.

O professor lembra, contudo, que é preciso muita responsabilidade na hora de usar o cartão. “Você estará gastando o que não tem para pagar depois. Por isso, jamais use esse artifício se não tiver recursos para pagar a conta no vencimento. Os juros serão absurdos”, diz.


Fonte: http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/noticias/como-economizar-no-mercado-na-concessionaria-ou-com-o-cartao-de-credito?page=1&slug_name=como-economizar-no-mercado-na-concessionaria-ou-com-o-cartao-de-credito

domingo, 9 de janeiro de 2011

Música do meu dia: Elton John - Can You Feel The Love Tonight